PRAIA DA ROMANA É OPÇÃO PARA ECOTURISTAS NO PARÁ


20 de julho de 2009.


Através de iniciativas de turismo de base comunitária, a praia deserta de Curuçá, no nordeste do Pará, atrai estrangeiros em busca de aventura e contato com a natureza

A oito quilômetros do município de Curuçá, no nordeste do Pará, está localizada a primeira praia em mar aberto depois da foz do Amazonas. A praia da Romana é um dos pedaços mais bonitos e menos explorados do litoral paraense. São 14 quilômetros de areia branca e dunas. Lugar pintado de vermelho pela revoada dos guarás. Uma beleza deserta e conhecida ainda por poucos. A maioria dos que já visitaram este paraíso são estrangeiros. Vivem ali pescadores e agricultores habitantes da Reserva Extrativista Mãe Grande, que abriga um dos maiores manguezais contínuos do mundo, cerca de 37 mil hectares.

A Romana ficou mais conhecida através de ações de turismo de base comunitária. Em parceria com a Casa da Virada, projeto da ONG Intituto Peabiru, a comunidade criou roteiros de ecoturismo e contribuiu para a fundação do Intituto Tapiaim, que organiza as trilhas e conduz os visitantes, mostrando as belezas e riquezas do mangue e a cultura dos pescadores e catadores de caranguejo que vivem no local.

A iniciativa é tão pioneira que representantes do Insituto Tapiaim, todos curuçaenses, foram participar no início deste mês do IV Salão de Turismo Anhembi, em São Paulo. O trabalho realizado em Curuçá atraiu o interesse de muitas pessoas e também especialistas da área. O Instituto Tapiaim é um dos 50 projetos de turismo de base comunitária selecionados para receber apoio do Ministério do Turismo.

DE CURUÇÁ PARA O MUNDO

Com menos de um ano de trabalho, o Instituto Tapiaim já levou para a Praia da Romana aproximadamente 100 turistas. Cerca de 70% foram entrangeiros. O primeiro grupo foi de estudantes canadenses. Os roteiros são comercializados por duas agências de ecoturismo, uma em Belém e outra em São Paulo.

De acordo com Ana Gabriela Fontoura, da agência que comercializa os roteiros em Belém, lugares como a praia da Romana tem um grande potencial para se tornarem destinos de ecoturismo no Brasil. “Já foram nove grupos, sete de estrangeiros. É um resultado ótimo para o pouco tempo de trabalho”, afirma. Ela destaca o pioneirismo da iniciativa, única a operar turismo de base comunitária na região do Salgado paraense.

Os monitores do Tapiaim conduzem os visitantes nas trilhas, preparam a hospedagem e mostram como se vive na região. Os passeios incluem almoço de comidas regionais com a comunidade, banho de igarapé e praias, passeio pelo mangue e parada para ver gaivotas, maçaricos e gaviões. É possível conhecer também a produção artesanal da farinha. A hopedagem é feita em casas rústicas, mas bem preparadas para receber os turistas. É uma experiência de imersão na cultura de pescadores, catadores de caranguejo, marisqueiras e pequenos agricultores.

ECOTURISMO: EMPREGO E RENDA PARA A COMUNIDADE

O Instituto Tapiaim é formado por jovens de Curuçá, que descobriram no turismo de base comunitária uma oportunidade de emprego e renda. A ideia do grupo, na maioria filhos de pescadores, catadores de caranguejo e pequenos agricultores, surgiu após um curso de formação em monitores de ecoturismo, promovido pelo projeto Casa da Virada. “Para criar oportunidades de trabalho para os jovens das comunidades rurais da Resex nós formamos 25 monitores em ecoturismo”, destaca Hermógenes Sá, coordenador da Casa da Virada.

Para Wherlleson Moreno, de 29 anos, o curso despertou nos jovens a vontade de conservar e valorizar as riquezas naturais da cidade e principalmente as tradições culturais. “Trazendo pessoas para conhecer a nossa cidade e o nosso modo de viver, valorizamos nossos artistas, nossa cultura, e contribuímos para que a nossa história não se perca”, afirma o monitor, um dos idealizadores do Instituto Tapiaim.

6 comentários:

  1. Boa Tarde!
    Achei interessante o trabalho de vocês. Só que vocês não deram uma referência para saber tarifários, com quem se comunicar para agendar o passeio.Aguardo resposta pois estou indo para o Pará em dezembro de 2009.
    obrigada,
    Necy Santos marianecys@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  2. Estou indo a Romana no carnaval e gostaria de alguns contatos para hospedagem, assim como valores.
    Grato, Cassio.

    (renan.andrade294@gmail.com)

    ResponderExcluir
  3. para se chegar a praia da romana tem duas opções que eu conheço ou vc vai para marapanim ou para curuça em nem um dois dois tem pessoas que trabalhem com turismo o indicado é procurar pessoas que sejam de lá e que possam servi como guia , minha familia é de marapanim quando queremos ir a estas praias desertas que tem por lá , já que a praia da romana não é a única , fretamos um lancha e seguimos para lá as praias são desertas mesmo

    ResponderExcluir
  4. O Blog ta de parabéns, adorei todos os posts, se outros lugares se espelhassem no exemplo de desenvolvimento sustentável que vem ocorrendo em Curuçá...suas riquezas não estariam sendo extintas como vem acontecendo de forma devastadora.Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Olá, parabens pela iniciativa. Não sou entusiasta das férias de julho, nossas praias ficam cheias, sujas e barulhentas,e gostaria de informações sobre como chegar, onde ficar, valores etc... para conhecer a ilha em outubro... vcs podem me ajudar? eglymalato@gmail.com - 88700185, Obrigada, Egly

    ResponderExcluir
  6. Sou de Vigia, e ja ouvi muitas vezes falarem nessa praia, sempre tive vontade de conhece-la, algumas pessoas daqui fretam barco e vão ate a praia da Romana, apesar da viajem ser um pouco cansativa, porem muito bela!! Ainda vou conhecer!

    ResponderExcluir